Improviso, Inteligência e Capoeira


Texto  Escrito por Angelo Augusto Decanio Filho  (Mestre Decânio)


"A capoeira, pela sua própria natureza, é um jogo de inteligência...
Um esconde-esconde, um faz de conta, um eterno improviso...
Uma contínua gozação!
Ganha quem engana mais e melhor...
.. para enganar é preciso ter malícia...
É preciso ter inteligência!
Capoeirista burro é um erro de lógica...
Não pode ser burro, por que...
A capoeira é o inverso de burrice!
Começamos pela existência da chula, curto improviso que inicia a vadiação...
Para cantar improviso é preciso ser poeta...
Para ser poeta é preciso ser inteligente!
Burro não faz versos, apenas zurra!
Para cantar o improviso introdutório...
O cantador deve conhecer todo o repositório litero-filosófico da roda...
Manifestá-lo de modo ritmado conforme a tradição musical da capoeira...
Respeitando a herança dos africanos...
Cantando num estilo tonal ...
Ajustando nosso falar ao tom dos iorubás...
Logo não pode ser burro...
Nem teimoso como o jegue!"


Axé Capoeira!

3 comentários:

Graduado Shell do IÊ disse...

Bem verdade! Muito bom o texto!!!

Paula Lopes disse...

Eu amei de cara este texto, por isso resolvi postar!

Anônimo disse...

Camarada- ótimo texto, e uma boa chamada de atenção!